Arranha-Céus em Madeira

O investimento na área de inovação na indústria da madeira foi o impulso necessário para o desenvolvimento de tecnologia que permitirá o surgimento dos primeiros arranha-céus de madeira no mundo já nesta década.

Segundo o Centro de Inovação de Materiais Naturais, da Universidade de Cambridge, é esperado que devido a este facto se entre numa nova era, onde as cidades se tornam sustentáveis e invertem a curva ascendente das emissões de dióxido de carbono verificadas atualmente.


O investigador principal, Dr. Michael Ramage, afirmou que “o betão armado é cerca de cinco vezes mais pesado que a madeira, o que significa mais despesas para fundações e transporte; é intensivo em recursos e contribui para as enormes emissões de dióxido de carbono. Depois da água, o betão armado é o material mais consumido pela humanidade. Mas agora temos uma alternativa e é baseada em plantas”.

A equipa prevê que as árvores ultrapassem o betão armado como o material de construção predominante para as cidades, com “edifícios semeados como sementes e cidades colhidas como culturas”, uma forma de abordar simultaneamente a mudança climática e a escassez global de moradias.

Este tema já passou do domínio da idealização para a prática. Na Noruega, na cidade de Brumunddal, a 150 quilómetros de Oslo, existe o arranha-céus de madeira mais alto do mundo: o Mjøstårnet, que começou a ser construído em abril de 2017. Trata-se de um edifício de 85,4 metros de altura com 18 andares que integra um hotel, apartamentos, escritórios, um restaurante e áreas comuns.

Nos EUA, o Estado de Oregon já concedeu uma licença para a construção do primeiro arranha-céus de madeira das Américas. O edifício, denominado Framework, terá um total de 90 mil metros quadrados, é composto de escritórios e apartamentos, além de um terraço e de um jardim, abrangendo 12 andares e 43 metros de altura, estando configurado para ser a estrutura de madeira mais alta dos Estados Unidos.


O edifício Mjøstårnet na Noruega não deterá o recorde durante muito tempo, pois o Japão deu a conhecer ao mundo aquele que será o maior arranha-céus do planeta em madeira, com 350 metros de altura, em Tóquio (Japão). O projeto W350, como é conhecido, quer impulsionar a consciencialização da população para a necessidade de criar espaços ambientalmente sustentáveis. O arranha-céus, neste caso, irá agregar vários espaços residenciais, de negócios, hotéis, escritórios e lojas. De acordo com o gabinete de arquitetura responsável pelo projecto, serão necessários quase 185.000 metros cúbicos de madeira para erguer o edifício, cujo custo estimado é de 5,6 mil milhões de dólares, sendo expectável que o arranha-céus fique concluído em 2041.



Sites pesquisados:

https://www.weforum.org/agenda/2019/07/sowing-seeds-for-timber-skyscrapers-can-rewind-the-carbon-footprint-of-the-concrete-industry

https://www.idealista.pt/news/imobiliario/internacional/2018/02/20/35599-o-maior-arranha-ceus-de-madeira-do-mundo-estara-pronto-em-2041

https://brasil.elpais.com/brasil/2019/03/21/economia/1553167229_981390.html
© DDN - Copyright 2019 | Privacidade
Developed by
OPTIMIZING CONCEPTS
Voltar ao topo